quarta-feira, 29 de julho de 2009

Dia da Independência

...Trintaeumzerodois, ao fundo, cheio de fome...
.

O 28 de Julho é quase sempre uma data muito marcante para mim. Talvez muitos andarilhos experimentados não saibam, mas é nesta data que se comemora a Independência do Peru. Eu mesmo, até há pouco, não tinha conhecimento. Coisa de dois anos atrás, porém, uma amiga me contou. Era peruana e tinha um nome lindo: Yurica!

Mas, ainda que a referência seja proposital, servindo como uma homenagem àquela pátria, o seguinte relato nada tem a ver com a alegria de incas borrachos de pisco.

O que sei, é que no 28 de Julho do passado ano dos 1994, eu, Maltrapilho S. Santos, me encontrava numa missão de campanha, e era mais conhecido como Trintaeumzerodois. Servia no I Regimento de Cavalaria e Guarda, vulgo RCG – aquele, dos cavalinhos, do Sete de Setembro.

O acampamento era, de longe, o momento mais temido aos conscritos – os quase soldados. Após três meses de instruções básicas - que me possibilitaram aprender, dentre outras coisa, quem era o Patrono da Cavalaria ou como limpar a “bolsa” de um eqüino -, estávamos apto ao campo!

Seriam somente três dias de acampamento, onde, diziam, sofreríamos toda sorte de provação física e psicológica. De fato, à véspera da partida, soube que a tropa de instrutores seria formada inteiramente por voluntários, o que significa dizer que os cabos, sargentos, tenentes e demais oficiais presentes seriam também os mais sádicos do Regimento.

O local escolhido – um vale perdido, aos fundos do Setor Militar Urbano – não era longe, mas foram tantas as incursões pelo cerrado com tanto sol no capacete; tantas as simulações de bombardeio e de escapada mata adentro, com direito a mergulhos coletivos pelo capim seco, que demoramos todo o dia até alcançarmos a zona de conflito. A época do evento não era vã, visto que o Inverno era efusivamente saudado por nossos algozes como a época ideal para se ir a campo.

Durante a longa caminhada, por mais que a situação me parecesse real, não dava para imaginar um avião surgindo no horizonte com bombas de Napalm. Preferia me concentrar no melodioso chacoalhar dos cantis, que se chocavam sinfonicamente contra alguns penduricalhos da caserna, como fivelas e fuzis. Tchloc, tchloc, tchloc, tchloc, tchloc...

Mergulhar no mato, ao som de metralhadoras de festim, eu também gostava. Muitos faziam cara de Rambo; eu ria.

O primeiro objetivo fora cumprido: chegamos ao local, já extenuados e sem energia. A partir de então, as profecias se realizaram, e tudo o que era feito, tinha, intencionalmente, o sadismo como fio condutor. Xingamentos e humilhações, além de privações e maus-tratos; assim era o acampamento.

Ao final do primeiro dia, estávamos todos sendo instruídos em meio à mata. Qualquer erro era punido com um mergulho no rio. Cada vez mais encharcados, procurávamos nesgas de sol por entre as folhagens, a fim de não anoitecermos como pintos molhados. Pura perda de tempo. Ao mesmo instante em que a noite se fez presente, fomos obrigados a mergulhar, só para que dormíssemos molhados. Foram três dias com a mesma e úmida farda, dormindo ao relento, sem direito a trocar a cueca ou tirar a camuflagem da cara. Só via a cor da minha pele quando olhava meu pinto, na hora de fazer xixi.

Na missão empreendida naquela noite, certamente provei que de soldado eu não tinha nada. Eu era o líder da Patrulha Selva, composta por oito bravos homens “de confiança”, e haveríamos de colocar em prática tudo o que nos fora ensinado durante o dia: salvamentos de feridos, macas, tipóias improvisadas, etc. Tudo feito tarde da noite, sem luz, em meio à lama, à água e “à selva”. De repente, um grito horrendo de dor é escutado!...

Choros lancinantes. Pedidos desesperados de socorro em meio à escuridão. E surge, do nada, de lamparina em punho, nada menos que o capitão Sólon, o temido comandante do Primeiro Esquadrão. Sua presença empresta à cena a dramaticidade necessária, fazendo dali um Vietnã. Antes cansados e receosos, agora todos se entreolhavam assustados. É dada a ordem: “Trintaeumzerodois, o caso é sério! Há um homem ferido – aquele bizonho! - ao longo do córrego. Leve sua tropa e faça o atendimento necessário, rápido! Logo enviarei reforços! Vá, soldado!”.

De súbito, a Patrulha Selva estava embrenhada no mato, com água até a cintura (por vezes, até o pescoço) tateando uma linha que nos levaria ao homem ferido. Eu, à frente, já havia perdido o fôlego de tanto que eu ria. Sou do tipo de gente que ri quando fica nervoso ou descobre uma encenação, como parecia ser o caso. E ria, ria de perder a noção. Os demais, não sei se por ingenuidade ou medo, acreditavam em tudo, e iam, aos trancos e tropeços, passando por cima uns dos outros, ora pedindo ajuda, ora pedindo calma. Um, pendurou-se em meu pescoço para eu quase me afogar: “Não sei nadar! Não sei nadar!” -, berrava, aterrorizado. Engasguei muita água, e quando recuperei o fôlego, recomecei a gargalhar!

Para ser sincero, o que a muitos era terror, eu sentia como amor. Estar num lugar tão sinistro, no escuro, caminhando por dentro d’água e amparado por tantas energias não poderia ser algo ruim. Eu não temia nada, apenas ria e me divertia com o pânico alheio.

Logo adiante, nova lamparina, mais oficiais e o “ferido”. Era um cabo, e quebrara a perna prendendo-a numa entranha de troncos. Era preciso fabricar uma maca com nossa gandolas e levá-lo à base. E era gordo, o combatente; gente do rancho! Malditos sugadores...

Deitamos o militar em nossa maca e seguimos rio adentro. Eu, sempre adiante, e rindo muito, fui o responsável direto pela queda do ferido! Que, bobo nada, sartou de banda, evitando o mergulho completo. Só então os outros descobriram a farsa, e quiseram até bater no abestado.

Chegamos ao acampamento pouco depois, e fomos dormir.
Foi, indubitavelmente, a noite em que senti mais frio na minha vida. Acordei inúmeras vezes para fazer flexões, esquentar o corpo, e só então, conseguir dormir mais 15 ou 20 minutos, para então acordar e repetir o processo. No fim da madrugada, de tanta dor, senti vontade de chorar ao tentar desatar o nó do cadarço do coturno. Os dedos, atrofiados de frio, sequer os esticava. E olhava para minhas mãos, sem acreditar que eram minhas.

Logo, a manhã invadiu o vale, e tivemos, todos, a sensação de que o pior já havia passado. Ledo engano. Após mais uma jornada de intensas atividades, a Patrulha Selva encontrou novo desafio, noite adentro...

Tratava-se de encontrar as coordenadas por meio da localização do Cruzeiro do Sul; o tal azimute. É simples: faz assim com o dedo, tipo Paz e Amor, de lado, compara com a estrela inferior, faz um giro à esquerda e se traça uma linha imaginária perpendicular ao solo; pronto, ali é o Sul!

Foi-me dada uma série de coordenadas, e também um tempo-limite para nossa chegada ao ponto-final. E só. Dois detalhes: eu era míope e a noite estava nublada...

A empreitada foi madrugada adentro, até o momento e que, exaustos e sem qualquer sentido de orientação, entreguei os pontos. Já não agüentava caminhar a esmo, com galhos e espinhos pelo rosto, caindo em buracos e topando com pedras. Ordenei, então, “aos meus homens” que se deitassem, aguardando a Providência Divina.

Sentaram-se, formando um círculo, em silêncio. É como na guerra, que filho chora, mas mãe não ouve... -, pensei. E senti, verdadeiramente, vontade de saber da minha. Era quase de manhã.

Não muito tempo se passou, até que escutamos, vindo de longe, gritos de salvação; era o resgate!

Fomos a única patrulha a falhar na missão. E quando voltamos ao acampamento, imundos e esfarrapados, foi-nos dada a missão final: limpar fuzis. Era a punição pelo papelão.

Terminado o serviço, olhei para o campo que, coberto por uma névoa branca, escondia meus companheiros, encolhidos de frio, soltos pelo terreno...

- Trintaeumzerodois!... -, escutei, e quando me virei, recebi um novo fuzil e a seguinte determinação: - Tá de guarda! Senha: Brasil. Contra-senha: Romário.

Não podia acreditar... O sol já quase aparecia no horizonte, e eu ali, sem força para cuspir, tendo de montar guarda, com um fuzil à mão, e acordado! Parecia que todos haviam morrido, menos eu...

Foi quando escutei uma movimentação na barraca dos oficiais. De onde saiu, logo em seguida, uma fileira de homens. O capitão Sólon olhou para mim e, antes de qualquer outra coisa, disparou uma rajada de tiros pelo ar. Imediatamente, os demais, todos armados, passaram a jogar bombas de gás lacrimogêneo entre os soldados e a dar tiros de festim para o alto. Realmente, era um campo de batalha, uma cena de guerra.

Soldados acordavam atordoados pelo estampido das bombas, já sem frio, mas com medo, enquanto escutavam berros de “Independência!!!” , dados por um cabo dos mais sádicos: “É hoje que o Brasil vai ficar independente de vocês, bando de molóides!”.

Enquanto as pessoas corriam em desespero, sem nem mesmo saber pra onde, eu, “privilegiado” por não ser acordado daquela forma (o que certamente traria seqüelas aos meus sonhos), comecei a pensar que logo estaria livre daquela estupidez. Já não era dia da Independência do Peru ou mesmo do Brasil, mas 29 de julho; o dia em que, 19 anos antes, eu me tornara dependente de tudo e de todos,
do Amor e do Desejo.




A todos àqueles afeitos a celebrações e improvisações, convido-os a estarem comigo, nesta noite (29), no Ninho do Urubu, a partir da 20hs, em volta à fogueira, com papicos e bebericos. Coisa simples, mas de coração. Sejam bem-vindos.

Vou oferecer água e sorrisos. Tragam o que mais lhes aprouver, s’il vous plâit. De pandeiros a cachaças.




16 comentários:

blog da cla disse...

João, parabéns, feliz aniversário!!!
Beijos da Teixeira

Márcio disse...

Suas memórias de caserna dão liga, Lima Santos! Me fizeram recordar, por caminhos enviesados, "Nada de Novo no Front", um dos livros mais deprês que já li, o que de modo algum lhe tira o valor. Mande mais aí dessa safra! Enviei o "presente virtual" para seu e-mail. Grande e festivo abraço!

Anônimo disse...

Fiquei tentada com esse convite "genérico", mas pensei que eu sou apenas uma leitora do blog, então não sei se estou inclusa nessa lista de convidados para ir ao Ninho do Urubu. O certo é que vontade me deu de conhecer o Ninho, o Simba e, mais ainda,o João...rs Tita

Amarilis disse...

Oi João, feliz aniversário! Parabéns pra vc!

Não sei bem por que, mas esse seu post me emocionou de verdade. Sei lá, deve ser que memórias de caserna dão liga mesmo... Depois de tanta emoção, ficou muito bonito dizer: "o dia em que eu me tornara dependente de todos, do Amor e do Desejo".

Acho reconhecer a nossa dependência um sinal de despreendimento. É contraditório, mas eu acho.

Beijos.

Roseane z disse...

Sagaz , conhecedor das letras e da dramaticidade com que se deve dar fecho a uma narrativa poética.Mais surpresas!!!!!!!!Congratulações pelo aniversário e também pela precoce sapiência .

O Maltrapa disse...

Contreiras, seja muito bem-vindo nessa sua volta da terra do míquei. Trouxe alguma muamba? Hahahaha!!!

Já ouvi muito falar sobre esse livro; vou dar uma sacada. Quanto às memórias da caserna, tenho muito pano pra manga; vai ser divertido relembrar e dividir com a galera.

Abração,

O Maltrapa
___________________________________


Prezada Tita, o convite era extensivo a todos, visto que tenho, nos que me leem, a certeza da reciprocidade amorosa. Não são assim, tantos, a ponto de não poder recebê-los em meu Ninho, em volta à fogueira e com um bom vinho...

Simba..., Aliás, Nelson, manda lembranças!

Beijão,

O Maltrapa

___________________________________


Oi, Amarilis! Obrigado pelas boas energias! Confesso que me emocionei mais ao ler o texto na manhã de hoje; talvez por estar menos ansioso do que ontem...

Vou mandar mais "dessa safra", tá?

Enfim, deu liga mesmo!

Beijo,

O Maltrapa

Ps: é contraditário mesmo, mas eu também acho.

___________________________________

Puxa, vida, Ms. Z, que as surpresas não cessem, não é mesmo! Coisa boa que não acaba; isso é difícil de achar por aí!

Fico relamente feliz pelas palavras de incentivo, e convido-a a seguir dialogando com este Maltrapilho, a fim de surpreender-se sempre, mas também, como nossa colega Amarilis, emocionar-se!

Beijão,

O Maltrapa

___________________________________

Obrigado, Teixeira!!!!!!!!

Também pela visita de ontem!

Beijão,

O Maltrapa

Roseane z disse...

Well Maltrapa.....com emoção é mais caro!

O Maltrapa disse...

Ando meio duro... Hahaha!
Por ora, só surpresas, mas prometo me esforçar!

Beijão,

O Maltrapa

Dias de Setembro disse...

Oi João,

Fiquei tão ligada na história/sofrimento do “Trintaeumzerodois” que, boba, não percebi a relação da parte final do texto com o seu nascimento, aliás, lindo, como bem acentuou a Amarílis aí encima. Aproveito para lhe desejar um monte de coisas boas! (“E ali podia eu maravilhar-me com meu aniversário/Que fugia, enquanto o tempo girava em derredor...”).
Quero também dizer que acabei sendo invasiva, “me escalando” pra ir ao Ninho, talvez porque tenha uma curiosidade enorme em conhecer pessoas que me levam através da palavra, como no seu caso e da Amarílis, por exemplo, que tenho lido também, mas não conheço (de todos, só conheço o Fernando).
É que a gente acaba fantasiando tanto com as palavras que o mundo real fica meio de lado, tanto que uma vez, caminhando por São Paulo, me deparei com ninguém menos que Lígia Fagundes Teles e foi um susto, ela existia mesmo!!!!! rsrs
Outra coisa: já postei lá no meu pretenso blog, passa lá: diasdesetembro.blogspot.com
Retribuo as lembranças ao Simba e mando beijo (o nome dele de verdade é Nelson?)
Até, Tita

Moema disse...

Queridão, e pensar que foi essa sua "luta" aí narrada que te tirou do meu convívio...
Alias, lembrando melhor, eu já tinha te perdido antes mesmo de vc se tornar o 3102! Foi quando vc, corrompido pela fama, se debandou para sua sua horda de fãs.
Mas, como "o bom filho à casa torna", após ser tratado como cão (não como o Nelson!!) no quartel, lembrou-se dos bons e velhos amigos e foi, de bloco em bloco na 216, procurando por mim...
Enfim, o que importa é que cá estamos. E vivos!
Pena ter visto tardiamente o convite...
Beijo no coração,
Moema

O Maltrapa disse...

Olá, Tita!

O convite era extensivo aos admiradores do Maltrapa - ainda que só o conhecessem pelas palavras. Eu poderia ter sido mais explícito quanto a isso.

Meu intuito, ao criar o Antropólico Maltrapilho, foi também o de cooptar energias produtivas que me estimulassem a progredir em termos literários e humanos.

Um encontro entre aqueles que, como você, tem participado deste processo, pode ser uma iniciativa excelente!

Um beijo,

O Maltrapa

Ps:O Simba se tornou Nelson por afinidades e similitudes de alma; mas, mesmo sendo Nelson, para sempre será Simba.

O Maltrapa disse...

É verdade, Brasil... Nossa! Que flash-back incrível você me proporcionou! Lembro como se fosse agora, deduzindo e perguntando em que bloco você moraria... Que delícia!

Lendo o comentário da Tita, logo acima, imaginei de fazer um lance aqui por casa, pra mó di fazê o imaginário parecer real...

"Horda de fãs", é... hehehe!

Beijão,

O Maltrapa

Roseane z disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dias de Setembro disse...

Beleza, João, ótima ideia! Tita

Anônimo disse...

pedigrees captured correlations adumbrates zanizibar apps medi beta communicates stands exited
semelokertes marchimundui

O Maltrapa disse...

What!!! Isgurundowski labitniskaya on guets trubeau?

Hanamoon,

Maltrapa