domingo, 3 de fevereiro de 2013

Memel é Foda

direitos reservado
Memel, em sua primeira aparição, demonstra todo seu espanto; não foi um mar-de-rosas.

Foi por vias tortas que ela veio parar por aqui. Dessas que nascem não se sabe exatamente como, quando, onde e por que, mas nascem, e que logo foi encontrada por dois irmãos que saracoteavam por aí, miando debaixo de algum carro. Era pequenininha. Nascera, sei lá, há duas semanas, se tanto, e as crianças se encantaram.

Levaram-na imediatamente para casa. Claro que a mãe enxotou a gatonfinha. Duas crianças e uma gatinha linda; que situação. Sem nem dizer mais nada, largou a infeliz com o porteiro, que agora, além de cuidar de uma caixa de sapatos com um gato dentro e eventualmente abrir portas, teria ainda de vigiar o estacionamento, carregar compras, levar o guarda-chuva para a senhora, cortar a grama defronte ao edifício, passar o rodo pelo prédio, resolver pepinos, e bajular o babaca do bloco por ignorância, complexo de inferioridade ou pobreza de espírito. Claro que ele não tardaria a passar a bichana adiante. Esse insensível não deve nem ter aberto a caixa.

O primeiro interfone que o cara tocou, sabedor que era do histórico dos moradores, e ela acabava de ganhar um novo lar. Quando chegou, era - como ainda é - a menor dentre cinco, a coisinha. Imagine se não sofreu na mão das outras. Fazer o quê? É a lei dos bichos, tal como é a nossa. Os baixinhos sempre se fodem, o que só muda quando ficam ricos, famosos ou inteligentes; do contrário, pancada neles. Ela teria de esbanjar muita simpatia para se criar “no meio da vagabundagem”. Passados alguns meses, parece que está conseguindo. E como é esperta, meu deus!

Antes de sua chegada, as demais já estavam entrando numas, acatando certas leis naturais artificialmente impostas pelos donos do lar, que se julgam soberanos. A disputa é árdua; neguinho(a) é folgado que dói, então há que se fazer manter o respeito – vide D2. Mas aí aparece esta criatura, ignorando toda e qualquer norma anteriormente existente, e numa doçura que não dá para crer, faz o que bem e mal entende.  Ela é inacreditável. E nem sabe que é linda assim.

Desrespeita todos os limites com naturalidade. Quer porque quer se alçar ao ponto mais alto da casa, e geralmente o alcança. As outras, macacas-velhas, observam passiva e tranquilamente. Assistem tudo sem um mio, torcendo para que ela escorregue quando estiver por suplantar a ultima escadinha de CDs empilhados; e o pior é que ela normalmente escorrega, o que faz com que eu, vez ou outra, acorde em plena madrugada - “espero que não tenha sido um dos bons”, penso então, já pegando no sono novamente.

O que marcou a vida das quatro “irmãs” mais velhas, ainda antes da chegada de Memel, foi quando uma delas fez uma manobra infeliz, na vã tentativa de subir no topo de uma antiga geladeira restaurada – um mimo que ornamenta a sala. Ora, ora, os gatos não devem, jamais: 1) entrar no quarto de dormir; 2)subir na pia da cozinha (a não ser quando a casa dorme, naturalmente) e 3)subir na geladeira altona que está cheia de artefatos inadequados para felinos.

Pois deu-se que um desses artefatos, numa dessas noites, fora preenchidos por flores esbeltas, o que chamou tanta atenção que a curiosidade quase mata o gato, literalmente. Era um belíssimo e pesado vaso de cristal – que de tão bonito, nem sei nem se poderia ser chamado de vaso -, mas que mesmo assim, foi ao que ela tentou se agarrar, no desespero de não se estabacar. Pois vieram ao chão, a desastrada, o vaso com flores, água e tudo mais, destruindo, no caminho, um antigo aparelho televisor P&B que, até aquele momento, tinha chances reais de voltar à ativa. Tive de ter uma conversa séria com essa coitada. Ela disse que sentiu muito por isso. E não é que falava sério? Nunca mais se tentou a fazê-lo.

Pois qual não foi minha surpresa esta noite, quando nossa adorável caçulinha astutamente aparece por lá, já quase botando abaixo alguns porta-retratos caríssimos que mamãe mandou buscar em Paris! Descobriu uma brecha do parapeito da janela que ia de encontro, vejam vocês, à parte superior das grades detrás da geladeira, por onde calmamente passou, subindo com facilidade ao campo minado.

Foi repreendida como não deveria, afinal, é apenas uma gatônfia linda, feliz e maravilhosa que, como costuma dizer minha mulher, “somente conheceu o amor, desde o dia que nasceu". Dá uma espécie de remorso, daqueles que mães conscientes sentem quando porventura dão uma palmada no filho pequeno. Pelo menos assim que era lá em casa. Lembro do dia em que minha mãe me deu uma chinelada; depois, ficou meia hora chorando.

Pois Memel, em muito menos tempo que isso, mesmo após uma tremenda broca – da qual pareceu não entender uma única palavras - já estava no meu colo, fazendo dengo. Tão à vontade que, já sonolenta, quando ia se escorregando por entre minhas pernas, fez trabalhar suas presas contra minha carne. É dor pra mais de metro...

Entretanto, com toda a paciência e auto-controle que não tive alguns minutos havia, e também por vê-la aproximar-se sem nenhuma mágoa, como me ensinando como se deve agir, sempre amorosamente, não praguejei para além do pensamento. Ao contrário, fiz com ela se reacomodasse, aninhando-se graciosamente, e fingi que tudo seguia na mais absoluta normalidade.

Memel é foda.


foto: joão sassi

3 comentários:

Flávio Aurélio disse...

Memel e foda. Foda mesmo e porteiro que teve a decência de arrumar um lar pra gatinha rsrsrs. Muito bom.

O Maltrapa disse...

O porteiro só se safou, Flávio, pois sabia que aqui em casa, bichinhos dessa estirpe sempre mereceram amor, carinho e respeito. Por isso nem titubeou em ligar pra cá, o velhaco!

Sorte dela que ganhou várias "irmãs", e também nossa, que ganhamos um figurinha das mais simpáticas para miar ao pé da nossa porta!

Abração deste Maltrapa

Não importa disse...

Também ganhamos uma gatinha lá em casa. Meus pais cresceram em roça e não são mto fãs de animais domésticos, mas acho mto engraçado como a Mina transformou todos lá em casa em crianças de novo.

Às vezes, acho q fica mto sozinha. Queria arrumar uma companhia pra ela, outro gatinho...

Ah, adorei o conto.